Continuamos perdendo para nós mesmo!

O Paiaiá Futebol Clube não vem jogando tão mal a ponto de não está fazendo um péssima temporada.

O time vem errando em alguns pontos e isso acaba afetando uma possível virada no placar. Tendo em vista que há muito tempo o time não consegue reagir após sair atrás no placar.

O jogo de hoje fazia parte do aniversário do “Nosso Time FC” que completou 39 anos. O convite veio através do Fábio Fly, que sempre faz questão que estejamos presentes. Um sinal de respeito com o time do Paiaiá.

O Paiaiá FC entrou em campo com: 1 Sílvio, 2 “Branco”, 3 Gabriel, 4 Rui, 6 Rafa; 5 Neto, 8 Rodrigo, 7 Itaécio, 10 Binho; 11 Tunico, 9 Reis.

O jogo começou quente. No primeiro minuto, o camisa 7 do Real Matismo, deu um ponta pé em Binho que merecia cartão vermelho. Admitido pelo próprio jogador ao final do jogo. E acrescentou:” eu fiz aquilo para desestabilizar ele, Porque toda vez que vocês jogam aqui, ele arrebenta no jogo”.

Ao conversar com juiz, ele disse que era para cartão vermelho, mas não expulsou por que tinha apenas um minuto de jogo.

A não expulsão provocou efeito não muito agradável em um outro jogador do Real Matismo. Começou batendo, agredindo, o que resultou em uma quase briga generalizada com Reis. Os dois foram expulso.

Apos longo período parado, o jogo remoçou…

Por mais que a falta de jogadores estejam afetando o time, não podemos reclamar do primeiro tempo. O time esteve bem em campo. Tomou o gol e continuou jogando e logo empatou com Reis.

Voltamos para o intervalo e tomamos o segundo gol. Binho empatou de cabeça. Mas o terceiro gol do Real Matismo, deixou nosso time sem forças para reagir. E sem jogador reserva, mais uma derrota parecia certa.

O tomou o quarto e o quinto gol.

Tudo poderia ser diferente? Sim. Talvez tenha sido o jogo em que Binho tenha perdido mais gols pelo Paiaiá.

No intervalo eu, Carlos Sílvio, fui conversar com os jogadores do Real Matismo, para tentar evitar que houvesse uma nova confusão. Ao me aproximar um dos jogadores estava comentando: “eu disse para não marcar com eles que iria dá confusão…”

o Alemão, motivador da confusão, pediu desculpas, confessou que estava errado e que só se acalmou após meu pedido. Afinal, ele não queria atender seu companheiros.

Uma derrota, mais uma, que confesso, está e deixando triste e preocupado.

Eu sempre levei o Paiaiá Futebol Clube muito a sério. Talvez, em nome de uma história, eu tenha levado a sério demais?

Será que só eu levo isso tão a sério?

Porque não consigo mais ter emoção com o futebol profissional e hoje eu chorei dentro de campo, sem que nenhum outro companheiro percebesse, com o Paiaiá FC?

Era um choro de tristeza por ver o time sem vencer. Será que só estou comprometido com o time?

Sei lá…

Hoje, mais uma vez, recebi mais um convite para ser goleiro do próprio Real Matismo. Mais uma vez disse não.

Por agora, não sei mais o que escrever sobre o jogo….

PAIAIÁ FUTEBOL CLUBE, MAIS QUE UM TIME ( AO MENOS PARA MIM)!

 

 

 

One comment

  1. Acredito que cada um se comprometa do seu jeito, exemplos: eu, embora não esteja participando dos jogos tento ajudar me propondo a arrumar um jogador, se possível e se quiserem; temos jogadores que acham que o fato de estarem presentes em quase todos os jogos, estão fazendo sua parte; ainda há aqueles que, por contribuírem financeiramente, estão totalmente comprometidos. Seriam, formas de comprometimento, certo ou errado? Não sei. Sei que cada uma acredita está comprometido do seu jeito. Poderíamos tentar saber, individualmente, qual o nível de comprometimento de cada um.
    No texto foi comentado as constantes mudanças de jogadores e muitos estão ali, ou por convites de última hora ou para brincar num time que está faltando jogador(es). O que não pode ou não deve é um jogador achar que resolverá os problemas existentes, seja no “campo” financeiro ou dentro de campo, aí acredito que nos aproximamos do fim.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *