Amo ser goleira, diz Tamiles Figueiredo

Posição ingrata, vilão, herói, etc. O goleiro é tratado de forma muito peculiar no futebol. Se ele realizar nove defesas difíceis e falhar em uma, ele será o jogador que menos falhou durante o jogo. Porém, sairá de campo com o único responsável por uma eventual derrota.

Tamiles Figueiredo, baiana da gema é goleira e não esconde de ninguém o amor que tem pela posição. “Eu amo ser goleira”, diz ela.

Eu, Carlos Sílvio, bati um papo com ela. Confira a entrevista:

Carlos Sílvio: Onde você nasceu e onde mora?

Tamiles Figueiredo: Nasci em Nova Soure, BA e moro em  Salvador, BA.

CS: Quando começou a jogar futebol?

TF: Desde pequena eu sempre  gostei de jogar futebol, na rua e nos campeonatos escolares. Juarez (técnico do Estrelinho FC), foi um dos meus grandes incentivadores.

CS: Você já começou como goleira ou em outra posição e por que mudou para o gol?

TF: – Não. Eu jogava de lateral direita. Uma amiga me viu pegando algumas vezes no gol, por falta de goleira, e sugeriu que eu mudasse de posição. Daí, peguei o gosto por ser goleira (rsrs).

CS: Quem são suas referências no gol, seja goleiro ou goleira no futebol brasileiro?

TM: Bárbara (Brasileira), Hope Solo (Americana) e Nadine Angerer (Alemã).

CS: Quem é , para você, a melhor goleira do mundo?

TM: Ah, Bárbara (goleira brasileira).

CS: Você também sabe sair jogando com os pés?

TM: As vezes me arrisco. É necessário evoluir na posição.

CS: Ser goleria é…?

TM: É não ter medo diante do adversário. Tem que se impor.

CS: Se você fosse técnico(a) da seleção brasileira, quais os 3 goleiros que você convocaria?

TM: Aline Reis, Bárbara e Viviane Holzel.

CS: o que você acha que falta para o futebol feminino no Brasil melhorar?

TM: Trocar a comissão toda. Tá faltando isso pra mudar o estilo de jogo das meninas e um novo ânimo, novo rumo, novas convocações… Renovar, porque tem muito tempo mantendo as mesmas meninas lá que nem jogam. Ficam no banco anos e anos. Ex: Raquel.

CS: Em que time você joga?

TM: FTC (Time Universitário).

CS: Para qual time você torce?

TM: Sou flamenguista.

CS: Ser goleria é…?

TM: É não ter medo diante do adversário. Tem que se impor. Amo o que faço. Amo ser goleira.

CS: Obrigado pelo papo.

TM: Eu que agradeço.

Fotos: arquivo pessoal de Tamiles.

Edição: Carlos Sílvio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *