Nossa praça

O site do Paiaiá Futebol Clube pede licença para falar de nossa cidade: Nova Soure, Bahia.

O Brasil viveu e ainda vive o chamado êxodo rural que é um processo de migração em massa das pessoas que viviam no campo ou cidades menores do interior para as cidades grandes. Este processo que teve inúmeras razões mudou completamente o modo de vida de muitas pessoas. Como eu fui criado na roça e depois migrei também para a cidade grande, posso descrever bem os dois estilos de vida.

Mas hoje vou falar apenas da minha cidade. Dos tempos em que ir a uma praça, uma coisa simples, era tão bom e gratificante.

Como dizia Renato Russo “são as pequenas coisas que valem mais”.

Mas nada é igual quanto a alegria dos meus tempos de Paiaiá, Nova Soure, Bahia.

Nova Soure, cidade localizada no sertão baiano (235 km de Salvador) é igual as demais cidades interioranas. Os cartões postais são basicamente os mesmos: uma igreja, onde as pessoas, principalmente os mais idosos vão fazer suas orações e demonstrar sua fé e uma praça.

A praça Nossa Senha da Conceição é um cartão postal de Nova Soure. Lembro-me de quando saía do Paiaiá, aos domingos, para sentar nos bancos, fazer as famosas “mesas-redondas” para falar de futebol e observar as belas meninas que não cansavam de circular a praça com seus belos cabelos que era sempre motivos de comentários por parte de uma turma de homens que falavam de futebol, também.

Lembro-me  de todos os amigos. Não irei nominá-los para não correr o risco de esquecer alguém. Eu estou falando de 20 anos atrás. Muito tempo se passou, alguns não vejo desde que sair de lá, outros mantenho contato.

Mas eu deixei minha cidade e partir rumo a metrópole. A querida praça, eu deixei com a certeza que o seu romantismo e a liberdade nunca seriam destruídos.  A liberdade é uma grande característica de uma praça, de uma cidade com ares bucólico e feliz.

Outra característica da vida urbana na cidade pequena é o não distanciamento que há entre as pessoas. Afinal, elas estão próximas demais fisicamente, sentimentalmente  e simbolicamente.

De repente, por motivos que não sabemos muito bem, e esse texto não tem o objetivo de descobrir, a praça estava transformada em entulhos e as históricas Pedra Portuguesas (as mesmas pedras portuguesas dos calçadões do centro São Paulo), eram uma amontoado de uma futura obra que perduraria por longos dois anos e meio sob o olhar triste de uma população exigente.

As críticas ao que se via e ao que se ouvia da gestão responsável pela destruição, era por grande parte da dos próprios moradores, duras e diretas . Alguns chegavam a dizer que “talvez fosse necessário uma reforma na praça, mas não destruir as Pedras Portuguesas”.

Passou-se um tempo e uma placa foi colocada marcando o início e término das obras: início, 01/06/2015; entrega da obra, 01/12/2015 (veja foto da placa).

Se há uma coisa no Brasil que a classe política está habituada a fazer é “obras eleitoreiras”.

Não estou dizendo que esse teria sido o motivo. Mas o que a gestão destruidora dos tempos românticos na praça de Nova Soure fez, deixa a crer que afirmar isso não é nenhum exagero.

Porém, ninguém parecia crer  que alguém sem nenhuma experiência política, ganhasse a eleição como nunca antes na história de Nova Soure: Luís Cássio de Souza Andrade, Cassinho, estava eleito prefeito de Nova Soure, Bahia.

O inconformismo tomou conta dos derrotados naquela eleição e a praça tomou ares de um curral. Cercada de estacas e tapumes.

As obras não foram iniciadas como anunciado e a tristeza era visível em quase dois anos e meio de angústia e incompreensão por parte dos cidadãos Nova-Sourienses.

Naquela praça não havia mais sorrisos, não se via os belos cabelos ondulantes por um vento leve e confortante. Não havia mais os namorados nos bancos da praça e sim um desalento e solidão.

Quem tem o prazer de conversar pessoalmente com o prefeito Luís Cássio de Souza Andrade pode observar em seu semblante o mais sincero e clara vontade de fazer um município melhor, sem olhar se alguém votou nele ou não.A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas em pé

Como disse um senhor do Paiaiá, sentado no banco, olhando para ele: “ eu não votei em você. Mas hoje eu voto”.

Erros e acertos acontecerão em qualquer gestão/administração. Porém, Cassinho, como é conhecido, não é um político com interesses pessoais enraizados na ignorância de um povo sofrido. Cassinho é o cidadão/prefeito capaz de se emocionar com o abraço de uma senhora humilde e necessitada de um simples abraço.

Quarta-feira, 02/05/2018, o que para alguns pode ser uma simples “coisa”, para muitos é a volta de um tempo que nunca deveria ter sido interrompido.

A praça Nossa Senhora da Conceição, em Nova Soure, Ba, está revitalizada por esforça e dedicação do sr. Prefeito Luís Cássio de Souza Andrade e entrega aos cidadãos que por todos esse tempo via com tristeza a imagem de uma curral em pleno centro da cidade (vejam a foto).

As palavras do Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Nova Soure, o vereador Ítalo Góes, deixa clara sua alegria em ver a praça linda como sempre foi:” Sílvio, depois de dois e meio olhando essas cercas, a festa da Padroeira e a praça fechada com tábuas, era de doer. Ver essa praça agora sendo entregue ao povo, com o empenho de Cassinho, é de uma felicidade, rapaz…”

A praça de Nova Soure está revitalizada, linda e bonita de se ver, dizem muitos moradores através das redes sociais.

Parabéns ao prefeito Luís Cássio de Souza Andrade que resumiu sua felicidade em uma frase: “A NOSSA PRAÇA”.

Continuaremos torcendo para que venha mais realizações e que Nova Soure, nossa cidade seja bela e próspera.

Carlos Sílvio, cidadão Nova-Souriense.

Fotos: Francisco Silva

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *