Carne de pescoço

São os bons jogos fechando o verão. Domingo, 18/03, 10h30, um sol para cada jogador, começa o jogo mais difícil, a priore, para o Paiaiá FC em 2018. Temporada que, assim como o Barcelona, o Paiaiá não sabe o que é derrota (sem querer fazer nenhuma comparação).

Sociedade Esportiva Satélite, time formado por jogadores de 16, 17, 20 e 25 anos de idade, no máximo. Pedreira para o time veterano time paiaiaense que entrou em campo com: 1 Sílvio, 2 Gabriel, 3 rui, 4 Jojó, 6 Thiago; 5 Neto, 8 Guduga, 7 Uilton, 10 Rodrigo; 11 Tunico, 9 Binho.

Não é nenhum exagero dizer que o time entrou se manteve em campo com um nível e concentração em 100%.

Em cada bola tirada por Rui, Thiago, em cada carinho dado por Jojó, em cada lance executado por Gabriel, via-se o sangue correr nas veias. Via-se, também, uma molecada tocando muito bem a bola e em suas expressões estava escrito:” que time é esse!”

Apesar de ter utilizado as mesmas peças do último jogo, o Paiaiá mostrou uma postura diferente. E essa diferença estava na coletividade. A equipe que também sabe jogar “sem a bola”. Cada espaço, cada grito em campo era aceitado de forma coletiva.

Se os rápidos e jovens jogadores da S.E. Satélite esperavam um time veterano em campo, atuando na defesa, jogando por uma bola, ledo engano. O Paiaiá entra em campo para jogar de igual para igual. Para fazer um bom jogo e resultado é apenas uma consequência disso.

Se nossa defesa, composta pro Gabriel, Rui, Jojó e Thiago, não aliviavam em nada, os dois volantes ( Neto e Guduga) que se doavam em campo, posicionado a frente deles estavam Uilton e Rodrigo. O primeiro “comia” a bola; o segundo, para tomar a bola dele só com ordem judicial . E foi ele que deixou Binho, o gigante, que tirou de seus defensores e tocou para Tunico abrir o placar.

Atônitos, os bons garotos do S.E. Satélite tentavam digeri um gol, para eles, indigesto. Esboçaram uma pequena e inútil pressão, mas quem teve a chance clara de fazer o segundo gol do jogo foi o Paiaiá que Tunico exigiu do goleiro uma boa defesa numa saída de gol arrojada.

A alta temperatura do jogo de do clima natural pedia que o intervalo fosse recheado de uma boa conversa e muita água fria. 

Além de voltar com a mesma formação  para o segundo tempo, o time também manteve a mesma postura em campo.

Mas o adversário não criou chances de gols? Sim, criou chances de gols, pressionou, tocou a bola muito bem, mas não conseguiu concluir em gols.

Seria necessário tudo isso e muito mais para penetrar no dificílimo sistema defensivo do Paiaiá F.C. Ainda tem muito jogo…

Rodrigo, o homem de visão panorâmica absurda, deixou Binho na cara do gol para fazer 2 x 0.

Vale ressaltar que Binho fez um jogo de extrema coletividade: marcou, fez gols, deu passes e orientou o time o tempo todo.

Uilton(numa substituição equivocada)  deu lugar a Rafinha que viria a perder um gol feito quando o jogo estava em 3 x 1.

Thiago deu lugar a Allan que foi para a lateral direita, Jojó passou para a lateral esquerda e se tornar um gigante em campo e Gabriel, junto com Rui, jogou tudo e mais um pouco.

A pressão do S.E. Satélite surtiu efeito ao pressionar, roubar a bola e fazer o seu primeiro gol do jogo.

Com 2 x 1 no placar e time adversário tentou, de todas as formas empatar o jogo. Tentativas que quando não esbarrava na zaga, para nas boas defesas do goleiro do Paiaiá.

Desesperados atrás do gol de empate, agora mais próximo, a garotada corria, enquanto que o Paiaiá fazia a bola correr.

E foi assim que Binho recebeu, tirou do marcador, abriu espaço e fuzilou de fora da área, no campo, para fazer Paiaiá 3 x 1 S.E. Satélite.

Sem condições de jogo, mas incentivando o tempo todo, no banco de reserva estava Itaécio. Não fale para ele o que não deve, pode ouvir o que não quer. Depois de ouvir algo de um dos garotos do time adversário, ele respondeu: ” aguarde o resultado final”.

Com apito final e uma vitória (maiúscula) diante de um time forte, técnico, veloz e leal, só nos restava vibrar e vibrar muito.

O time do Paiaiá entrou no vestiário gritando, comemorando, parabenizando a luta de todos os jogadores evidente no suor e no uniforme molhado.

Lamentamos muito a ausência do zagueiro Zé Elson em jogos como esse. Teria contribuído e muito para mais uma grande partida.

Parabéns ao time Sociedade Esportiva Satélite que foi leal o jogo todo.

Parabéns a todos os jogadores do Paiaiá F.C . O jogo de hoje foi mais um exemplo claro que devemos praticar o nosso futebol com muito orgulho a paixão.

O Paiaiá Futebol Clube é carne de pescoço.

PAIAIÁ FUTEBOL CLUBE, MAIS QUE UM TIME!

 

 

 

3 comments

  1. Estão todos de parabéns. Hoje, além da contusão, estaria fora de combate, pois o intestino não reagiu bem a algo e contrai uma infecção intestinal. Estou debilitado, entretanto muito feliz pela participação de todos. No próximo jogo pretende está junto com vocês, assim como Itaecio fez hoje. Um abraço galera…

  2. Foi um jogo para comemorar, muita concentração e vontade de vencer um time cheio de garotos q sabem jogar e jogaram com inteligencia, saindo com toques rápidos e explorando a velocidade dos meias e atacantes. Coube a paiaia f.c fazer um jogo inteligente e sair com uma boa vitória, merecidissima.
    Parabéns Tonico pela matéria

  3. Mais um jogo com uma enorme consistência tática. Quero destacar a sólida defesa do PFC… cada jogador do sistema defensivo tem a sua função bem definida e isso é importante… Em jogos de várzea geralmente acontecem muitos gols de ambos os lados, mas com nossa qualidade defensiva isso é evitado.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *