Para o goleiro, um jogo de futebol não é apenas um jogo

Tem momentos em nossas vidas, que não sabemos porque estamos presentes em determinadas situações e nem porque nos deparamos com certos acontecimentos.

Na vida de goleiro isto no cisma mais ainda a pensar porque tais momentos acontecem em frações de segundos e são divisores de nossa vida: o céu e o inferno.Mas como tudo na vida tem seu porque e seu pra que, algo tem seu momento e seu significado.

Para o goleiro um jogo de futebol não é apenas um jogo. É mais do que isso. Seja no futebol profissional ou na nossa querida várzea. Escrever sobre si mesmo, não é fácil. Escrever sobre si mesmo num dia terrível, é pior ainda.19092798_1359141754200988_7536703677628503116_o

No jogo de hoje do Paiaiá FC , eu (Sílvio), fui o protagonista de uma derrota doída. Minha primeira falha foi aos 5 minutos de jogo quando perdi o tempo da bola. 1 x 0 para o União das Imbuias. Só quem é goleiro e tem isso como “dom” sabe o que passa na cabeça de um goleiro nessa hora.

Entramos em campo com a cabeça pensando incessantemente para não falharmos, sempre estarmos prontos para agir com capacidade no momento em que for nos exigida a tal capacidade. É aí, que as vezes, por algum motivo somos protagonistas de algumas lances e as vezes uma cena de vexame ou um ato de heroísmo. O nosso erro é lembrado eternamente, por diversas vezes relembrado e gera dúvida a respeito de nossas qualidades e virtudes.

O goleiro tem um diferencial em relação as demais posições: ele joga contra o objetivo maior do futebol que é o gol. Por mais que fazemos uma defesa difícil e magistral, ela será esquecida logo venha uma falha.

Falha essa, que não é tão lembrada quando acontecida por parte de outra posição ou situação, como foi o no lance em que o Paiaiá FC tomou o segundo gol. Com 2 x 0 no placar e uma falha na cabeça, o goleiro procura concentração e auto controle sozinho, em seu canto. Afinal, o goleiro sabe que sua falha será lembrada eternamente, vide a falha do goleiro Barbosa na Copa de 1950 ou a falha de Kahn na final da Copa de 2002, ao contrário de uma defesa que fizera minutos antes.Imagem relacionada

O Paiaiá FC diminuiu ainda no primeiro tempo e fomos para intervalo confiante que o volume de jogo que tivemos , seríamos capazes de virar a partida.

O time que entrou em campo( 1 Sílvio, 2 Márcio, 3 Zé Elson, 4 Gabriel, 6 Jojó; 5 Neto, 8 Marcos, 7 Uilton, 10 Rodrigo; 11 Tunico, 9 Flávio), voltou para a etapa final em busca de confiança para aproveitar a bom aproveitamento que tivemos com a bola no pé e, com as seguintes alterações : Alex no lugar de Neto; Thiago no lugar de Marcos e Allan no lugar de Márcio.

O time lutou, correu, tentou de todas as formas empatar o jogo, mas tudo parecia muito difícil em função do excesso de passes errado.

Rodrigo, fez bela jogada e deixou Flavio para empatar o jogo (2 x 2). Jogada essa, que ficaria lembrada e seria comentada por todos nós não fosse mais uma falha minha.

Tudo parecia caminhar para um empate em 2 x 2 , quando nos minutos finais, uma falta na linha que divide o campo gerou um motivo de pequenas reclamações. Foi nesse exato momento, que desviei a atenção para algum outro lugar e quando percebi a bola viajava em direção ao gol , cobrada por alguém que não vi e, sim, eu estava muito longe do gol. Tentar alguns passos para trás e pular foi insuficiente para evitar que tomasse o gol que Pelé não conseguiu fazer.

Não havia mais tempo para nada, a não ser para contemplar o desânimo de todos os jogadores e a certeza de ter estragado um jogo.

Afinal,  nossa falha é e  sempre será mais marcante e diante disso para que estes dois lados tenham sido parte de nossa nobre vida de goleiro, algo deve ter sido o ponto causador dessa razão.Um deles por certa desatenção ou momento de muita confiança do goleiro ou tal menosprezo por adversário. Tal consideração de ato fácil que pode se tornar em um tremendo desastre e pelo outro lado pode ser o efeito de uma certa confiança que nos leva acreditar sempre em um lance praticamente impossível que só nós temos a capacidade de pensar e agir mudando a situação  e a tornando num verdadeiro milagre.Resultado de imagem para falha de oliver kahn final de 2002

Verdadeira é a conclusão que temos que muitas vezes nem nós mesmos sabemos o que está acontecendo e isso são fatos da nossa nobre vida de goleiro de tentar estragar o prazer maior do futebol. O Gol.

Onde nós somos o alvo maior dentro do jogo, para que aconteça o clímax maior do jogo nós temos que ser ultrapassados.É por nós que tudo começa e tudo termina.

Só me restou a certeza de uma culpa terrível, uma fúria comigo mesmo e uma lágrima…

Usando uma frase muito comum entre os goleiros digo:” quer vida fácil, vai ser atacante”. Após uma derrota que “acaba” com o dia de qualquer goleiro que ame essa arte, que se veste diferente , que tem o seu canto, que “onde goleiro pisa, não nasce nem grama”, vou recorrer a um trecho de uma música dos gaúchos dos Engenheiro do Hawaii, chamada Terra de Gigantes:

“Por isso, ‘mãe’
Só me acorda quando o sol tiver se posto
Eu não quero ver meu rosto
Antes de anoitecer”

I’ am sorry !

PAIAIÁ FUTEBOL CLUBE, PARA MIM, MAIS QUE UM TIME!

 

 

 

3 comments

  1. E eu estava lá. Vi tudo de pertinho e não pude fazer nada, senão dizer: – era sua, estava em suas mãos, não pode tomar um gol desse. Poderia, talvez, chamar a atenção de maneira diferente, tipo,- vamos lá, levante a cabeça, precisamos de você…
    Mais uma vez, foram muitas falhas, de todos e o pior é que sabemos que nosso futebol é muito mais do que temos apresentado nos últimos jogos. Precisamos todos dar as mãos, formar uma corrente e mostrar que somos um grupo.
    VAMOS PAIAIÁ…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *