Poema de Gregório de Matos (PAIAIÁ)

Ouça a o poema “Há Coisa Como Ver um Paiaiá” de Gregório de Matos, musicado e interpretado por Nelson Djane:http://www.garagemmp3.com.br/dejane-o-cantor-dos-poetas/ha-coisa-c-v-um-paiaia-mp3

MÚSICA/CIFRA

12 – HÁ COISA COMO VER UM PAIAIÁ
Poesia de: Gregório de Matos
Música de: Nelson Dejane

D6/9                        Em7/9
Há coisa como ver um Paiaiá "Paiaiá, Paiaiá
        A7/13               D6/9
Mui prezado de ser Caramuru, "Caramuru, Caramuru"
                           Em7/9
Descendente de sangue de Tatu, "de Tatu, de Tatu"
      A7/13               D6/9
Cujo torpe idioma é cobepá. "cobepá, Cobepá"
Am7         D7/9            G7+           A/G
A linha feminina é carimá, "carmá, carimá"
                      F#m7              A/B
Moqueca, pitinga, caruru, "caruru,caruru"
            B7               Em7               A7
Mingau de puba e vinho de caju, "de caju, de caju"
                        D6/9
Pisado um pilão de Piraguá, "Piraguá, Piraguá"
Am7          D7/9     G7+               A/G
A masculina é um aricobé, "Aricobe,Aricobé"
                           F#m7 
Cuja filha cobé um branco pai, "branco Pai,
        A/B
branco Pai"
                 B7       Em7
Dormiu no promontório de Passé,"de Passé, de
    A7
Passé"
                                  D6/9
O branco era um marau, que veio aqui, "veio aqui,

veio aqui"
    Am7      D7/9         G7+              A/G
Ela era uma Índia de Maré, "de Maré, de Maré"
                          F#m7
Cuja fiha cobé um branco Pai, "branco Pai,
        A/B
branco Pai"
                  B7          Em7       
Dormiu no promontório de Passé, "de Passé, 
      A7
de Passé"
                       D6/9
Cobepá, aricobé, cobé Pai.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *